Instituto pelo Diálogo Intercultural / Sem categoria  / Família Abraâmica: cristãos, judeus e muçulmanos praticando diálogo há 6 anos

Família Abraâmica: cristãos, judeus e muçulmanos praticando diálogo há 6 anos

O Instituto pelo Diálogo Intercultural é um dos organizadores dos encontros da Família Abraâmica. Dezenas de famílias católicas judias e muçulmanas fazem encontros periódicos e conversam sobre os ensinamentos das suas religiões, os valores compartilhados entre as três, os problemas do país e do mundo e formam uma fraternidade exemplar pouca vista.

Depois de muito tempo de encontros on-line por causa da pandemia, no sábado passado (13/08/22) foi realizado um encontro presencial no sítio de um dos membros da Família. Como sempre, a conversa fluiu sobre muitos assuntos, teve um almoço organizado com ingredientes levados por cada família participante e o tema de Ashura foi apresentado pelas famílias muçulmanas.

Ashura é o 10° dia do mês de Muharrem, primeiro mês do calendário Islâmico, e é um dia de jejum para muitos muçulmanos e religiões semitas. É um dia especialmente importante, pois é acreditado que é nesse dia que o profeta Moisés e seu povo foi libertado das perseguições do Faraó, cruzando Mar Vermelho através do Milagre; a arca do profeta Noé encalhou no Monte Judi e o neto do Profeta Muhammad, o Imã Hussein, foi martirizado, entre outras acontecimentos importantes. Por isso, é uma data de reflexão e de aprofundar ainda mais a fraternidade.

Ashura também é o nome do prato que se cozinha nesse dia, como o Profeta Noé fez quando a arca aterrissou no Monte Judi no fim do dilúvio, misturando os grãos, castanhas, frutas que tinha na arca. Este prato/doce lembra aos que o comem que são todos seres humanos iguais, no mesmo barco, independentemente da diferença das suas crenças, suas línguas, formas de vida. Assim podem ser amigos, compartilhar suas vidas e podem construir uma sociedade “doce” juntos, assim como os vários tipos de ingredientes cozidos na mesma panela de Ashure. O prato de ashura que foi levado pelos membros muçulmanos foi consumido, como sobremesa do almoço e terminar o encontro dia com lembrança doce.